• ABM

Arqueologia Feminina



Arqueólogos israelenses anunciaram a descoberta, na Judéia, da tumba do rei Herodes, empossado pelo general romano Marco Antonio como comandante daquela província do vasto Império Romano. Não lembro quem disse, talvez tenha sido um pedreiro desses que edificam dizeres, que nem os ossos dos mortos repousam em paz, porque no futuro vem o dedo de um arqueólogo o incomodar da eternidade. É das mais fascinantes, a atividade de arqueólogo. Gostaria de ser arqueólogo. Através da arqueologia, são provados fatos remotos do passado; fatos que até comprovam e ratificam passagens bíblicas. Atualmente vários arqueólogos se debruçam na descoberta dessas preciosidades:


1. A Tumba de Cleópatra.


2. As Minas do Rei Salomão.


3. A Fortuna da Armada Britânica.


4. A Arca da Aliança.


4. O Túmulo de Alexandre Magno.


São relíquias da humanidade que, se encontradas, lançarão uma nova luz para a compreensão destes tempos imemoriais. As pistas sugerem que o rico sarcófago da rainha do Egito esteja submersa na costa da Alexandria; no norte de Israel é onde se presume estar a Arca da Aliança e as Minas do lendário Rei Salomão; a fortuna da Armada pode estar no Estreito de Gibraltar: é o navio perdido mais cobiçado, estima-se que ele contenha 4 bilhões de euros em moedas de ouro.


O túmulo do rei macedônio é a mais polêmica das relíquias; historiadores dizem que ele está numa catedral em Londres, escondido numa cripta; outra corrente de estudiosos orientais indica que ele está num labirinto subterrâneo em Kandahar, no Afeganistão; frades italianos garantem (à boca pequena) que seu corpo, ainda úmido de mirra, repousa numa igreja de Veneza, mas o mais provável é que esteja em algum ponto da Alexandria do Egito, o último lugar em que há registros de visitas do seu formidável esquife; se encontrada, seria a mais fantástica descoberta arqueológica de todos os tempos.


Se se confirmar que os fragmentos de pedras sejam mesmo da tumba do rei Herodes, vai causar alvoroço na comunidade científica; consta que ele era um rei misógino, dado a orgias, sanguinário e temeroso de seu trono, já que, segundo a tradição bíblica, quando soube do nascimento de Jesus, mandou executar as crianças de menos de dois anos na cidade de Belém. Ele é corretamente retratado no filme de Mel Gibson. Era um sujeito desprezível.


Um poeta disse, certa ou errada vez, que a arqueologia só poderia ser profissão de homem, já que as mulheres, seres tão da moda, seriam incapazes de entender 30 séculos de história; desaprovo a ideia do poeta: uma vez inserindo um pouco de moda na velharia das ruínas, ficariam novos e belos todos os monumentos perdidos neste gigantesco vale arqueológico chamado Terra.




Escrito por Alex Menezes, às 00h05.


Posts recentes

Ver tudo

O Culto