• ABM

Louis David - Helena de Troia


Ah, Helena...


Está é a Helena de Tróia saída da cabeça do pintor francês Louis David (séc. 18). Helena era uma traquinas. Largou o marido, rei de Esparta, Menelau, para ficar com o moleque Páris (Alexandre), princípe dos troianos, mas isso todo mundo sabe; o que nem todos sabem ou lembram é que ela abandonou também a filha, Hermíone, de 10 anos.


Quê? É a seção de Mitologia ou de Arte?


Vamos ao quadro:


Observe na sofisticação do panejamento de Helena em detrimento à (falta) das demais personagens pobres que destaquei em outros quadros: o panejamento é fino, delicado, "alta costura". O pincel de David é uma agulha. Helena está ao lado de seu amor de verão, Paris, o nobre irresponsável que levou seu país ao caos por causa de aventura.


Note que há um bonito contraste entre os braços dos dois amantes: enquanto o da princesa cede à leitosidade cremosa prestes a derreter, o braço do príncipe é bronzeado, como a querer dizer que ele seja valoroso guerreiro (não era, a flecha que atirou no calcanhar de Aquiles foi guiada pelo deus Apolo), forte, poderoso. A narrativa é dominada por quem a narra, claro.


O quadro está hoje Louvre. Não chama tanto atenção quando a Monalisa, que é uma espécie de Anita dos quadros, as pessoas adoram, mas não sabem porquê.

Posts recentes

Ver tudo