• ABM

Elogio da Melancolia

Muitos são os motivos que nos deixam assim, melancólicos, ou mericólicos, ou ainda malincólicos, como preferia Drummond. Muitas palavras, um só sentir.



Esse estado de tristeza é ate útil, pois em vezes tal sentimento quando não mata purifica; ambas situações, aliás, inócuas, a saber que o homem pode a tudo vencer, menos o seu destino.



As imagens criadas por toda a sorte de eventos tais como aviões que despencam dos ares, a crueldade e as injustiças dos mais fortes, a agonia do amor não retribuído, tudo isso são crispações de angústias e amarguras só percebidas pelos fracos. Somos fustigados pelo egoísmo, pela impiedade e pela covardia da brutalidade humana, tão abundante quanto o ar.



Todas essas incúrias do mundo desnudam o lado inumano e profundamente trágico da vida, momento em que, por questão de sobrevivência e equilíbrio, buscamos alcançar o vento, - o que vulgarmente chamam felicidade.



Diante das contingências da vida, a inutilidade de um destino vazio, o que é mais nobre para o espírito? Ignorar os nossos e alheios sofrimentos mesmo que tudo resulte em nada e terminantemente nada? Vão temores!




Os verdadeiros fortes são os desprovidos de ambição. Os modestos que não cobiçam o ouro, pois o nunca viram a cor, portanto é algo absolutamente estranho à sua natureza. Louvo por isso a gente simples, o sertanejo que em meio à sua condição de benéfica ignorância do orgulho, e da aparente miséria, ergue as mãos aos céus dando graças a um Criador invisível apenas nos olhos dos incrédulos. Nada lhes turba a alma serena. Carece-se de ampla fé tal disposição. Parece um Jó moderno, aquele que ao Criador agradecia a saúde e as chagas que, aliás, foram muitas. Um diálogo marcante entre ele e sua esposa:



“Ainda te aferras à tua integridade? Amaldiçoa a Deus e morre!”


“Como fala uma das mulheres insensatas, também tu falas. Devemos aceitar apenas o que é bom da parte do Verdadeiro Deus e não aceitar também o que é mau?”. Jô – cap. 2 versículo 9.



Por profunda melancolia perdeu-se a vida de Santos Dumont, Van Gogh, Wittegeinstein, Hemingway, Raul Pompéia e outros que a memória fraca e hora avançada me faz esquecer. Mas como Albert Camus propôs, que é o suicídio, um ato de valentia ou de covardia por conta da fraqueza e da incompetência para suportar os fardos do mundo e da vida?



Não me queiram mal pelo tema algo “azul” de hoje. Se amanhã quem sabe alguma notícia boa vier de mim ou de um outro lugar, prometo falar de flores.



Posts recentes

Ver tudo